Fio de Ariadne: Novembro 2013

17 novembro 2013

Sobre relacionamentos e expectativas


Gente é terreno espinhoso, campo minado. Tem que explorar com cuidado, delicadeza. E sabedoria. Relacionar-se é das tarefas mais difíceis na vida. Tem que praticar sabendo que há mil e uma possibilidades, combinações, reações. O tempo tem me ensinado que, entre todos os elementos necessários para uma convivência saudável, o desprendimento é indispensável. Tem que haver flexibilidade, solidariedade, comunhão, compreensão. Mas, ainda que tenhamos tudo isso, se não houver desprendimento, a coisa pode se complicar, ainda que seja apenas no campo interno, dentro da gente.

Explico: relacionamento, seja de qual tipo for, sempre tem boa pitada de expectativa. Eis o segredo: não esperar (ou esperar menos) das pessoas. Pequenas situações do cotidiano nos chateiam porque esperávamos que elas seguissem outro rumo. Queríamos outra reação, outra resposta, outra atitude, outra escolha. Temos que interiorizar a ideia de que, na maioria das vezes, reações, palavras e atitudes vão ser de fato diferentes do que esperávamos por um motivo óbvio: ali está outra pessoa. Nela mora uma personalidade única, um conjunto inimitável de sentimentos, conhecimentos, histórias, pontos de vista.

Receitinha de bolo: interaja com o universo sem pré-visualizações. Deixe que as pessoas te surpreendam. Talvez isso torne a vida mais saborosa. Se a resposta for diferente da que você daria, comemore: o mundo seria muito chato se todos fossem iguais. Se aquela situação não te faz feliz, analise-a, questione-se. As pessoas que se foram, as atitudes que te chatearam, os pequenos incômodos do dia a dia: tudo tem um significado e revelam algo bacana demais: as pessoas são livres, podem e devem fazer o que acham melhor. Nem sempre conseguimos entender, mas me pergunto: temos realmente que entender? O peso que damos às diferenças é o que vai determinar o quanto conhecemos da felicidade. Partilhar momentos felizes é delicioso, mas condicioná-los a pessoas e situações é arriscado.

Não seja bom nem flexível se espera algo em troca. Boas ações e gentilezas são presentes que damos ao mundo, sem esperar recompensas. Elas naturalmente virão, mas serão exatamente a consequência da liberdade das pessoas em fazer o que lhes dá prazer. E retribuir doçuras é delicioso. Ainda que não seja uma recompensa imediata e recíproca, o mundo vai tratar de trazê-la a você.

Seja você mesmo e deixe que as pessoas sejam. A maior prova de amor que podemos dar a alguém é respeitar seu livre-arbítrio. Quando a decepção bater, pense apenas no tempo precioso que ela pode te roubar. Respire fundo e continue vivendo. Sem pesos. Eu escolho o que eu carrego. E é sempre muito leve.