Fio de Ariadne: Inquietação

16 maio 2010

Inquietação


Sou dona de uma inquietação que não sei explicar. Acho que é vontade de fazer as coisas acontecerem. Quero e quero tanto que o tempo, com os seus ponteiros perfeccionistas, não consegue me acompanhar. O desejo é o que me move. Em tudo. Se falta desejo, falta um pouco de mim nas coisas que faço. Não gosto quando acontece. A inquietação é o que me move. Preciso dela. A inquietação é uma sede que não passa. Quanto mais água eu tomo, mais eu quero beber.

Não, não é ambição, já aviso aos mais críticos. É um desejo infindável de viver. Uma força que me cutuca, que não me deixa esquecer a velocidade dos anos. É aí que eu tento ser mais rápida que o tempo. Isso, sim, eu não acho bom. A ansiedade é a água que escorre pelo ralo. É energia desperdiçada.

Da inquietação eu gosto. É ela que me faz escrever, inclusive. Contorce-se dentro de mim, gritando por liberdade, como se pudesse sair apenas por meio das palavras. Eu deixo. Gosto da liberdade. Prezo pela minha e pela dos outros. Convivemos bem assim. Eu e a minha inquietação. Eu a deixo livre e, em contrapartida, ela me faz seguir em frente.

Desculpe-me, mas tenho que ir agora. Preciso de mais água.

Um comentário :

DA JANELA, disse...

Utilizar de nossas qualidades para nos levar a diante é ótimo.

Abraços e boa semana!
Thales Willian